Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A minha insistência em coisas velhas

por Luís Naves, em 04.11.15

d4f2722b69c470ae87f072820eb62f66.jpg

 

Os meus amigos dizem que sou diletante, por me interessar tanto pelo passado, mas considero que existe uma crise de memória e que o nosso desinteresse pelas trivialidades dos velhos tempos é uma forma de complacência em relação ao futuro. Ontem, ao tomar chá com a Laura, não sei qual foi a razão, comecei a falar dos veículos de antigamente e, a certo ponto, expliquei que os nossos bisavós tinham automóveis. A Laura fez uma expressão de perplexidade, encolheu os ombros, disse que isso era natural, que havia carros. Interrompi-a e expliquei que eles os compravam. Ela olhou para mim, incrédula, disse que isso não fazia sentido. Obrigou-me a uma explicação detalhada: os nossos antepassados compravam as máquinas e conduziam-nas eles próprios; era um símbolo de estatuto. Expliquei que havia fábricas imensas, companhias com milhões de trabalhadores, que as pessoas até se endividavam para adquirir esses veículos. Para meu espanto, Laura desatou a rir-se.

A história era absurda, disse Laura, já que as pessoas podiam chamar um carro automático e ir para qualquer sítio por valores insignificantes, bastava dar a direcção à máquina e ela ia sozinha. Como era possível conduzir o meio de transporte de outra forma? Aquela resistência tornou-me pedante e fiz uma dissertação que a aborreceu de morte. Mostrei-lhe imagens de velhos automóveis e expliquei que se conduziam as máquinas mexendo num volante, no lugar da frente. Havia motoristas profissionais, milhões deles. Estes condutores humanos mostravam inabilidade natural e morria muita gente em acidentes de estrada. Laura ficou boquiaberta, mas a sua atenção foi esmorecendo. Senti que estava a ser um inaturável chato, a falar das velhas marcas, das diferenças estilísticas, do papel social daquela indústria. Às tantas, ela perdeu a paciência, sobretudo quando expliquei que os motores eram poluentes e usavam combustíveis fósseis. Perguntou: ora, porque é que eles não faziam carros eléctricos? Depois, já visivelmente impaciente, insistiu na questão da condução automática. Não respondi, percebi que a minha conversa era enfadonha. Para não a maçar, fui desviando para outros temas, mas fiquei a pensar que talvez esteja errado em insistir tanto nestas coisas mortas.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D